Bom Jesus de Braga

IGREJA DE S.VICENTE Séc. XIII XVI-XVIII

VISITA VIRTUAL 360º


Nos meados do séc. XIII já é referida a freguesia de S. Vicente. Pelas características da cabeceira, tem-se enquadrado o primitivo templo no estilo românico. Parece tratar-se do desejo, muitas vezes manifestado, de avelhentar as origens (quer do património, quer das instituições) num exercício de nobilitação e de dignificação. Os mesmos traços arquitetónicos (presentes também, por exemplo, em S. Francisco) levam, contudo, outros autores a incluí-lo no conjunto de obras góticas. Remodelações e ampliações posteriores - séculos XVI, XVII e XVIII - justificam-se pelo estado de degradação a que chegou a Igreja, pela sua localização numa praça multifuncional (utilizada, até, para correr touros) e por nela ter sede a confraria do Santo Cristo (a mais importante da cidade). Destaque-se, no exterior, o portal maneirista e, no interior, a capela do Santo Cristo (seiscentista) que mostra o recurso a soluções arcaizantes (lançamento de cobertura ogival). No período barroco a talha dourada (primeira metade do século XVIII) invade a capela-mor (arco triunfal, altar, teto), numa manifestação artística que visava fazer do templo uma “Domus Aurea”.
Exteriormente, destaca-se o chafariz que ostenta as armas reais (datado de 1746 e o único existente, na altura, no perímetro da cidade); o Passo (oitocentista), demonstra a importância da Semana Santa em Bragança; o Painel de azulejos (descerrado em 1929) comemorativo da proclamação, em 1808, do General Sepúlveda contra a invasão francesa.



My Image
My Image